Conheça os benefícios da Colina para o cérebro e fígado

colinaA colina é um nutriente que compõe as vitaminas do complexo B – B1 (tiamina), B2 (riboflavina), B3 (niacina), B5 (ácido pantotênico), B6 (piridoxina), B7 (biotina), B9 (ácido fólico) e B12 (cobalamina).

O complexo B é um conjunto de vitaminas de considerável importância para a produção de energia e para metabolizar os nutrientes (proteínas, gorduras e carboidratos). Elas também são importantes para o bom funcionamento do sistema nervoso e da função cognitiva. Diminuem os riscos de doenças cardiovasculares e são fundamentais para o fortalecimento de cabelo e unhas.

Devem ser adquiridas por meio da alimentação devido não serem produzidas em quantidades suficientes pelo corpo humano. Sua falta no organismo pode ser percebida por alguns sintomas, como: fadiga, dores de cabeça, anemia, queda de cabelo, perda de peso, depressão, alterações de humor, diminuição da concentração, falta de energia, língua inchada e avermelhada e inflamações nos nervos, pele e garganta.

E, tratando-se da colina, ela auxilia principalmente na formação do neurotransmissor acetilcolina (responsável pela coordenação motora, memória e aprendizado, contribuindo também para o controle da frequência cardíaca); e no controle de acúmulo de colesterol, fazendo a gordura derreter, de modo que não se fixe nas paredes das artérias ou na vesícula biliar e transformando-a em energia. Também tem a função de contribuir na transmissão dos impulsos nervosos, atenuando assim os problemas de perda de memória na velhice. E ainda contribui para a síntese de colágeno, o que auxilia na formação óssea.

Benefícios da colina: aguça o funcionamento do cérebro; facilita o aprendizado; melhora a capacidade de memória; estimula os impulsos nervosos de forma a aprimorar o tempo de reação; melhora o desempenho durante a prática de esportes; ajuda no metabolismo e mantém o fígado saudável (desintoxicando-o). Ela também mantém a integridade das membranas celulares; auxilia no desenvolvimento do sistema nervoso e na prevenção de câncer; tem ação anti-inflamatória; auxilia na saúde da pele e na produção de colágeno e elastina – o que promove firmeza da pele.

Além disso, a colina é essencial para as mulheres grávidas e lactantes, pois é vital ao crescimento e desenvolvimento do feto (cérebro e sistema nervoso).

Fontes naturais de colina: ovos, leite e derivados, carne (gado, porco, peixe), soja, feijão, sementes de girassol, sementes de abóbora, farelo de trigo, gérmen de trigo, brócolis, quinoa, couve-flor, repolho, alface, fígado, amendoim, nozes, entre outros.

A carência de colina na alimentação pode gerar problemas cardiovasculares e degenerativos cerebrais, cirrose, hemorragias, problemas renais, musculares e ósseos, e falta de coordenação motora, assim como favorecer o acúmulo de gordura no fígado. Entre os sintomas, estão: déficit cognitivo, dificuldade na concentração e compreensão, dores musculares, hipertensão arterial, salivação excessiva, enjoo e náuseas.

A deficiência de colina no organismo é rara, sendo portanto sua suplementação indicada sob orientação médica, a fim de evitar consumo em excesso desta substância, que em grandes quantidades pode ocasionar dores de cabeça, enjoos, náuseas e vômitos.

Como forma de suplemento, a colina pode ser encontrada como multivitamínico ou complexo-B.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *